Arquivo da categoria: Seguro Internacional

APM Terminals eleva em 60% capacidade em Itajaí

A APM Terminals, um dos maiores operadores mundiais de terminais de contêineres, reinaugura hoje o berço de atracação 1 na sua instalação no porto de Itajaí (SC). Com o berço de 300 metros de extensão reconstruído, a empresa aumentará em 60% a capacidade de movimentação no cais, o que equivale a um adicional de 15 mil contêineres por semana. O berço foi destruído nas enchentes de 2011, mas as obras só tiveram início em março de 2013. O investimento foi de R$ 105 milhões e pago com o caixa da empresa.

Além do berço 1, o contrato de concessão do terminal da APM engloba o berço 2. Juntos, eles somam 580 metros de comprimento, o ideal para receber dois navios simultaneamente – um de grande porte e outro médio. Ambos estão com uma taxa de ocupação de 80%. A empresa quer ampliar o terminal para fazer frente às novas gerações de navios.

“Na época em que a concessão foi feita as embarcações tinham outro tamanho”, diz Ricardo Arten, diretor-superintendente da APM Terminals no Brasil. A companhia assumiu o arrendamento da instalação em 2008 pelo prazo de 22 anos com possibilidade de renovação pelo mesmo período, uma única vez. A primeira etapa expira somente em 2023 (a empresa assumiu o contrato de outra companhia), mas a APM já enviou ao governo o pedido de antecipação da prorrogação, até 2046. A medida é necessária para que a APM realize os investimentos de expansão, diz Arten.

Pelo projeto, serão investidos R$ 160 milhões para aumentar em 80% a área do terminal, que passaria a ter 180 mil metros quadrados. A capacidade de movimentação subiria em 30%, alcançando potenciais 700 mil contêineres por ano. O investimento contempla a aquisição de equipamentos, nova estrutura de acesso ao terminal (gates), novos armazéns, pavimentação e obras civis, entre outros.

O projeto prevê a incorporação dos berços 3 e 4, que estão fora do contrato da empresa, assim como a retaguarda desses cais. Juntos, os berços 3 e 4 somam 560 metros.

Hoje, o ministro da Secretaria de Portos (SEP), Antonio Henrique Silveira, participa da solenidade de início das obras de realinhamento e reforço dos berços 3 e 4 do porto de Itajaí. O governo irá investir R$ 117,04 milhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A obra permitirá que o porto receba navios de maior porte, além de possibilitar o aumento da cota de dragagem de 10 para 14 metros.

Arten defende que em vez de o governo licitar esses berços, criando mais um terminal de contêineres em Itajaí – que competiria com a instalação da APM -, o ideal seria anexar os berços 3 e 4 ao contrato da empresa, viabilizando um grande terminal mediante um reequilíbrio econômico-financeiro.

“A melhor solução, a resposta para Itajaí, é que os berços 3 e 4 sejam incorporados à nossa concessão. O processo está na Antaq [Agência Nacional de Transportes Aquaviários] e na SEP, estamos bastante ansiosos”, afirma Arten.

A APM Terminals pertence ao grupo Maersk, que também controla o maior armador de contêineres do mundo, a Maersk Line. A APM Terminals está presente em 67 países com atuação em 71 instalações portuárias. Emprega 20.300 pessoas. No Brasil, além do terminal em Itajaí, a APM opera uma instalação no porto de Pecém (CE) e é sócia da Brasil Terminal Portuário (BTP), no porto de Santos (SP).

De acordo com Arten, a empresa olha com especial interesse os editais que serão lançados para operação de contêineres em Manaus (AM) e em Suape (PE), além de estudar possibilidades de terminais privados no Sul e no Nordeste, tanto para contêineres como para cargas soltas, chamadas de breakbulk.

Fonte: Valor Econômico/ Fernanda Pires | Para o Valor, de Santos

Camex reduz imposto de importação de sete produtos

BRASÍLIA – A Câmara de Comércio Exterior (Camex) decidiu nesta última sexta-feira, 11, reduzir o imposto de importação de sete produtos: folha de alumínio, carbonato de bário, óleo de palmiste, fio de poliéster, adiponitrila, gel de silicone e para-xileno. A Camex alega que há desabastecimento nesses mercados, o justifica a queda da tributação.

NOTÍCIAS RELACIONADASAbimaq critica proteção dada a montadorasAécio apoia redução da maioridade penal e menos impostos China planeja reduzir importação de minério de ferroMercado eleva a projeção de inflação em 2014 para 6,11%Austríaca terá fábrica de autopeças no País
Para a folha de cátodo de alumínio cauterizada, a tributação cai de 12% para 2%. Para o carbonato de bário, cai de 10% para 2%. No óleo de palmiste, a redução é de 10% para 2%. Em relação ao fio de poliéster, a tarifa cai de 18% para 2%. Na adiponitrila (componente químico utilizado na fabricação de náilon), a redução é de 12% para 2%. No gel de silicone, a queda é de 14% para 2%. No para-xileno (insumo utilizado na confecção de tecidos e malhas), a tarifa, que era de 4%, foi zerada.

A Camex estabeleceu períodos de validade da redução da tributação e quantidades para cada produto. No caso da folha de cátodo de alumínio cauterizada, a redução é válida por 12 meses, para importação de até 3 milhões de metros quadrados durante todo esse período. Para o carbonato de bário (utilizado na indústria cerâmica, de vidros, cristais, ferritas e tijolos), a redução vale por seis meses, abrangendo até 4.125 toneladas.

Para o óleo de palmiste (usado na indústria de alimentos, cosméticos e lubrificantes), a queda vale entre os dias 17 de abril a 17 de outubro deste ano, para 99.332 toneladas. No fio de poliéster parcialmente orientado, a redução do imposto valerá por seis meses, para 40.440 unidades. Para a adiponitrila, a queda vale por 12 meses, para importação de 30.700 toneladas.

No gel de silicone (para uso em próteses médicas), a retração do tributo vale por 12 meses para 132 toneladas. No caso do para-xileno, a diminuição do imposto vigorará por 12 meses para 160 mil toneladas.

O imposto sobre a importação de produtos estrangeiros incide sobre a importação de mercadorias do exterior. No caso de mercadorias estrangeiras, a base de cálculo é o valor aduaneiro e a alíquota está indicada na Tarifa Externa Comum (TEC).

Fonte: NIVALDO SOUZA – Agencia Estado

Impacto do Câmbio sobre as Importações

No que diz respeito aos últimos meses de análise, o aumento do câmbio, ou melhor, a alta do dólar e euro tem impactado o mercado de importações brasileiro, o que volta a trazer preocupações para o setor econômico do país e, também, para o bolso do consumidor.

A importação está sendo afetada, já que a maioria dos produtos importados são insumos e, a partir do momento em que se nota a alta do dólar, uma variedade de produtos apresentam aumento nos preços, principalmente no que se relaciona aos produtos eletrônicos, como smartphones e notebooks, e outros bens de caráter durável. Com esse aumento de preços, ocorre uma pressão inflacionária sobre os preços, impactando o mercado de importações. Considerando a economia do país como um todo, a alta do dólar é algo negativo, já que influencia no processo de combate à inflação.

De uma forma geral, o aumento de produtos manufaturados, de custos para a indústria e de matéria prima são grandes para o setor de importação, o que não deixa de pesar no bolso do país de uma forma geral – e principalmente para os consumidores que, como sempre, são os mais afetados. Além do câmbio alto, os impostos também sobem muito quando isso ocorre.

Por conta da alta do dólar e, consequentemente, do aumento dos preços de importados, o salário do consumidor brasileiro é o primeiro a ser afetado, já que seu poder de compra se torna reduzido a partir do momento em que se declara maior câmbio: a possibilidade de compra fica muito mais estreita e a possibilidade de entrada em novas compras é cada vez menor. Impactando o poder de compra do consumidor, ocorre também uma queda do setor de importação, fazendo com que o varejo e a economia também apresentem baixa.

Certamente, a alta do dólar e do câmbio implica no aumento de receitas de exportação, e isso não deixa de ser positivo para o território brasileiro. Infelizmente, não podemos ficar felizes, já que o ganho não chega ao consumidor brasileiro, que simplesmente assiste de longe os progressos do governo e da economia brasileira, uma vez que isso não reflete em seu próprio bolso.

Seguro de Carga Internacional

Cargas internacionais e qualquer tipo de importação são assuntos que geralmente causam bastante dúvidas entre as pessoas que têm interesse nesse tipo de transporte. O seguro de carga internacional é um contrato feito pela jurídica com o transporte selecionado, que podem ser nos modais marítimo, aéreo ou rodoviário. O seguro de carga internacional, é uma operação frequente das operações de comércio exterior.

Geralmente, o seguro de carga internacional garante ao cliente indenização para eventuais perdas ou danos de carga. Existem bastante variações no que diz respeito às proteções que serão garantidas com a contratação do seguro de carga internacional, portanto, vale salientar que, para fazer a contratação desse serviço, é mais indicado que um profissional na área de comércio exterior e que entenda sobre o funcionamento dos seguros de cargas internacionais faça os trâmites necessários para que o seguro aconteça da melhor maneira possível.

O seguro de carga, tanto nacional, quanto internacional, é muito importante para garantir ao cliente que a carga comprada não sofra com roubos, ou perdas – é bastante comum que durante o transporte de contêineres, alguns sejam perdidos durante o trajeto, e só mediante a um contrato de seguro de carga internacional é que a indenização poderá ser reclamada. Os longos trajetos também podem causar avarias na carga, o que também deverá ser acordado como responsabilidade da empresa que fará o transporte da carga, para que ao chegar no destino final, os produtos importados estejam no estado esperado pelo cliente.

A categoria de seguro de cargas nacionais e internacionais incluem seguros obrigatórios e seguros facultativos. Sendo assim, é necessário que seja feita uma análise sobre o material que será transportado, o percurso que será feito, e outros fatores que poderão interferir na importação da carga em questão.

Tanto a empresa que contratou o seguro de carga internacional, quanto a empresa que está prestando o serviço de seguro devem estar de acordo com suas intenções e com tudo que está incluído no contrato, para que a importação seja feita do modo mais seguro e saudável para ambas as partes.

Seguro internacional Seguro internacional Seguro internacional Seguro internacional